Desenvolvimento sustentável em ambientes de montanha é debatido no Rio

Sete anos após o desastre ambiental, especialistas se reúnem na Região Serrana do RJ para apresentar resultados de pesquisas e discutir políticas públicas

Política Ambiental
Publicado em: 15/11/2018

Agricultura de montanha e agroecologia, turismo rural, biodiversidade, desastres naturais e adaptação às mudanças climáticas. Esses são alguns dos temas que serão abordados no Mountains 2018, evento que será realizado de 10 a 14 de dezembro, em Nova Friburgo, no Rio de Janeiro.

Lá estarão reunidos especialistas dos cinco continentes para debater o desenvolvimento sustentável em ambientes de Montanha. “Particularmente no Brasil, espera-se incentivar o debate dos setores público e privado e da sociedade civil para a elaboração da política nacional de desenvolvimento sustentável nos ambientes de montanha”, esclarece o pesquisador Mauro Pinto, da Embrapa Agroindústria de Alimentos.

O Mountains 2018 está organizado em três momentos: o III Workshop sobre Desenvolvimento Sustentável em Ambientes de Montanha, que acontece nos dois primeiros dias, sob o tema Experiências e desafios para as políticas públicas sustentáveis. Em seguida, será a vez da II Conferência Internacional sobre Pesquisa para o Desenvolvimento Sustentável em Regiões de Montanha e as Excursões Técnicas. Ao todo, já são mais de 211 resumos inscritos, de 29 países.

Para o III Workshop sobre Desenvolvimento Sustentável em Ambientes de Montanha, a expectativa é debater iniciativas que visam à gestão sustentável dos ambientes de montanha, envolvendo os diversos atores que atuam nesses espaços.

Abertura com Nobel

A palestra de abertura será com o professor Martin Price, diretor do Centro de Estudos de Montanha (Escócia). Price foi o autor principal do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) e por este trabalho, em 2007, ele e outros integrantes do painel dividiram o Prêmio Nobel da Paz com o ex- vice-presidente norte-americano Al Gore.

“Como o Brasil ainda não tem políticas públicas específicas e o desconhecimento em torno desse tema é muito grande, idealizamos esse workshop como uma forma de discutir essa temática com vários segmentos da sociedade. Entre eles, representantes de ONGs, instituições de ensino e pesquisa, governos locais, regionais e federais, empreendedores, agricultores e montanhistas”, afirma a pesquisadora Adriana Aquino, da Embrapa Agrobiologia.

Excursões técnicas

O Mountains 2018 também contará com um dia inteiro para a realização de excursões técnicas relacionadas à conservação ambiental e iniciativas inovadoras de geração de renda na região serrana do Rio de Janeiro.

A ideia é mostrar como é possível valorizar a paisagem e a geração de renda de forma sustentável, a partir da integração harmônica das comunidades com os espaços onde vivem. Serão oito passeios, no dia 12, divididos nas seguintes temáticas: estratégias agroecológicas, agricultura familiar, sistemas agroflorestais e fruticultura orgânica, releitura da tradição, produção animal e agregação de valor, uso sustentável e serviços ecossistêmicos, preservação ambiental e turismo ecológico, e, por fim, gestão de áreas de risco ambiental em espaços urbanos montanhosos.

Triste lembrança

A chuva na Região Serrana do RJ, que causou mais de 500 mortes, em janeiro de 2011, é considerada a maior tragédia climática da história brasileira, afetando sete cidades: Nova Friburgo, Teresópolis, Petrópolis, Bom Jardim, São José do Vale do Rio Preto, Areal e Sumidouro.


Serviço:

Mountains 2018

De 10 a 14/12

Nova Friburgo (RJ)

Inscrições: http://www.mountainsbr.com/PT


Fonte: Embrapa